AmbientalOffice - Blog - Criativa-Mente: sobre o que é mesmo esse curso?
AmbientalOffice - Blog - Criativa-Mente: sobre o que é mesmo esse curso?

Criativa-Mente: sobre o que é mesmo esse curso?

Inscreva-se já!

Oi gente, tudo bem?

Esse mês vai acontecer o curso Criativa-Mente aqui no A.O. e convidamos o professor e psicólogo Jorge Lacerda para escrever um pouquinho sobre o tema para que você possa entender melhor qual a intenção desse curso. Dá uma olhadinha no texto dele aí em baixo e para saber mais informações do curso é só clicar aqui. Boa leitura 😉

Por Jorge Lacerda

Nesse artigo vamos introduzir um tema importante para a elaboração de ideias e produtos, abordado no módulo de coaching do curso Criativa-Mente:  a boa administração do tempo.

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO

Algum tempo atrás eu me encontrava em um momento de pura inatividade e falta de energia para as mínimas tarefas. Tudo parecia difícil e eu já me sentia desmotivado antes mesmo de começar. Simplesmente pensar em ter que fazer algo já me deixava cansado (eu “usava” – mal e porcamente – uma agenda de compromissos).

Até que um dia eu conheci um cara que salvou minha vida. O nome dele é Brian Tracy, e isso aconteceu quando eu já não dava mais conta de fazer nada e tinha dias totalmente improdutivos. Brian conduz um ótimo seminário chamado “Master your time”, traduzindo: Administre seu tempo.

Brevemente, vou resumir os principais ensinamentos que esse mestre passou:

a) Não existe tempo – tempo é compromisso e ações: em termos de administração do tempo, não existe essa coisa de tempo. O tempo pode ser uma medida boa para incidência solar sobre a terra, mas não é para realização de compromissos.

Para ser mais produtivo, você precisa sim considerar quanto tempo possivelmente o compromisso vai tomar, mas antes de tudo, você precisa considerar que o tempo é variável em função da variável compromisso. Compromisso é realizar alguma ação com um ou mais objetivos específicos (ou seja, é o processo), visando uma meta (que o resultado desejado).

b) Não confunda objetivo com tarefas: para ser mais produtivo em menos tempo, você precisa ter a sagacidade de saber que para atingir uma meta (um resultado final desejado), você precisará determinar alguns objetivos (pontos de checagem) e cumprir algumas tarefas (processos pelos quais é possível atingir a meta).

Para exemplificar, se sua meta é se formar em Psicologia, você pode achar que para atingi-la seus objetivos devem ser: ler mais, acordar cedo, prestar atenção às aulas e achar um estágio na sua área de interesse. Cada objetivo esconde algumas tarefas, vamos lá: para ler mais é necessário pesquisar obras, ir a biblioteca, perguntar e tomar nota sobre obras e autores relevantes; para acordar cedo, é preciso: colocar o despertador para tocar as 6h da manhã, não tomar nada com cafeína nem estimulantes depois das 17h; para prestar mais atenção a aula, é preciso: não se envolver em conversas com colegas, não mexer no celular, tomar notas. Para achar um estágio na sua área de interesse, é preciso: frequentar congressos e eventos do nicho de interesse; fazer cursos na área; ler livros sobre a área de interesse. E por aí vai…

2) OS TIPOS DE TAREFAS

Foco nas Tarefas

c) Saiba distinguir tarefas simples de tarefas complexas: esse era o principal motivo pelo qual eu ficava cansado antes mesmo de começar um compromisso. Eu não sabia separar tarefas simples de tarefas complexas. Eu não sabia fazer fracionagem. Mirava no resultado, na meta, e não via o processo pelo qual ela seria realizada.

Tarefa simples: aquela tarefa que, para sua realização, não se faz necessário mais que alguns poucos e rápidos movimentos comportamentais. Exemplo: lavar as mãos. Tudo que você tem que fazer é ir ao banheiro, abrir a torneira, pegar sabão, esfregar, fechar a torneira e secar as mãos. Não leva mais que um minuto, contando que você tenha água e sabão, por exemplo.

Tarefa complexa: aquela tarefa que, para sua realização, se faz necessário uma série numerosa e lenta de movimentos comportamentais, com várias pequenas tarefas adicionais e agregadas a tarefa central. Exemplo: lavar o carro. Você pode anotar na sua agenda “lavar o carro”, achando ser uma tarefa simples, mas uma série numerosa e lenta de movimentos comportamentais deve ser realizada para tal. Você provavelmente vai desde trocar sua roupa, pegar e conectar a mangueira, providenciar sabão, uma esponja adequada, passar aproximadamente 10 minutos ensaboando, e também remover o sabão, providenciar um pano, secar o carro, e ainda depois tomar um banho e vestir novas roupas.

Essa definição é mais subjetiva que objetiva, pois o conceito de “necessário” vai variar de acordo as habilidades e “instrumentos de trabalho” já em posse de cada qual. Se você tiver um lava-jato, lavar um carro é provavelmente uma tarefa simples. Se você é amputado de um braço, possivelmente lavar a mão é uma tarefa complexa.

d) Não planejar realizar mais que 2 tarefas complexas por período: se você acha que vai conseguir, numa manhã, lavar o carro, fazer um trabalho da faculdade e fazer um almoço, engano o seu. As 3 costumam ser tarefas complexas, as quais contém várias pequenas tarefas adicionais e agregadas a tarefa central. Se você conseguir concluir duas tarefas complexas completamente em um período, parabéns, você é além da média. Você pode ter a produtividade de realizar 3 tarefas complexas em um período, mas saiba que são grandes as chances de aumentar a produtividade e perder a qualidade.

e) Saiba ver a prioridade dos compromissos: se você aplicar tudo que eu disse anteriormente, e, além disso, estimar quanto tempo você levará para fazer a tarefa (e tomar nota) vai confirmar o que alguns estudiosos chamam de falácia do planejamento.

A maioria das tarefas, sejam simples ou complexas, geralmente costumam tomar mais tempo que o inicialmente planejado. Por isso, é bom eleger sempre as prioridades do dia ou do período do dia, para não deixar atrasar e ter que “correr atrás”: é muito bom estar sempre à frente ou pelo menos bem na hora. Algumas coisas não podem ficar para amanhã!

Eu sempre me atrasava para meus compromissos, fossem quais fossem, e as vezes os perdia devido atrasos: aprendi, com profissionais horistas e como profissional horista, a dar valor a cada hora do meu planejamento (e do planejamento dos outros). Mas apenas dar valor aos compromissos não o faz dar PRIORIDADE. Então, se organize e priorize aquilo que não seria legal deixar para amanhã, e se não conseguir priorizar, reagende e/ou avise que não irá comparecer na hora marcada – pois muitas pessoas trabalham com necessidade de pontualidade e produtividade, não apenas gostam de planejar, priorizar e remanejar suas rotinas para ter mais produtividade.

f) Não deixe que os compromissos que outras pessoas designam para você de última hora atrapalhe planos que estabeleceu consigo há meses: você sabia que tudo aquilo que alguém quer que você faça em tempo recorde, é porque a pessoa em questão não teve capacidade de fazer em tempo hábil? Saiba delimitar seu espaço e momento de trabalho, por exemplo, se você trabalha em casa.

Gerir interrupções é essencial, seja telefone, email, visitas inesperadas ou interrupções nada ocasionais – o caminho é ser direto ao ponto, calmo e assertivo, ou seja, não ser nem submisso nem agressivo quanto a sua necessidade de realizar um compromisso. Não torne uma questão de atrito pessoal o fato de outras pessoas atrapalharem sua produtividade – conduza elas a o ajudarem a ser mais produtivo, informando suas obrigações de antemão e tentando solucionar suas demandas sem deixar que atrapalhem as suas.

g) Cuidado com as multi-tarefas: Você é aquela pessoa que gosta de fazer tudo ao mesmo tempo? Isso pode estar minando sua produtividade. Acho que o modo de multi-tarefas é mais válido e funcional numa fórmula tipo “atividades repetitivas caseiras chatas + atividades lúdicas passivas = mais produtividade”.