AmbientalOffice - Blog - Encontro Coworking Brasil 2017
AmbientalOffice - Blog - Encontro Coworking Brasil 2017

Encontro Coworking Brasil 2017

No último sábado aconteceu, no Cubo em São Paulo, a terceira edição do Encontro Coworking Brasil e, pela segunda vez, tive o prazer de compor a equipe de organização. O evento surgiu em 2015, uma derivação de encontros informais entre donos de coworking de diferentes cidades. A intenção era criar um evento nacional, para reunir os founders de coworking do país todo e discutir sobre esse novo mercado ainda em construção. O mais legal é que o evento é colaborativo e voluntário. A equipe de organização, toda composta por proprietários de espaços de diferentes lugares do país (de João Pessoa a Porto Alegre), se reunia via Skype semanalmente para definir o planejamento e foi incrível.

Participantes do primeiro Encontro Coworking Brasil, realizado em 2015, em São Paulo.

(Plot twist: Quero deixar aqui um registro de agradecimento real/oficial à pessoa que mais se dedicou à esse evento: Laura Gurgel, do Clube de Negócios de São Paulo. Sério, mesmo com uma equipe de 9 organizadores, sem a Laura, esse evento não teria sido tão incrível. Foi ela quem cuidou de todo o planejamento estratégico, logística, brindes, patrocinadores. Enfim, Laura é uma pessoa maravilhosa que por 3 meses colocou o evento como prioridade, mesmo sem receber nada por isso e tendo um coworking e vários outros projetos para tocar. Fez acontecer. Ah, e se você quer fazer um evento maravilindo fala com ela que é sucesso garantido. #teamlaura).

Equipe de organização do ECWBR17. Da esquerda para a direita: Marcos Schwartz, Alexandra Santos, Willian Sormani, João Marcos Guirau, Kelly Gequelim, Laura Gurgel, Alexandre Balestrin Corrêa, Marcus Rocha, Equipe Celebrar, Jorge Wanderley e Anderson Costa.

Esse ano o evento triplicou desde a sua primeira edição. Foram 150 gestores de espaços e uma lista de espera com quase esse mesmo número. O tema principal do ECWBR 2017 foi “Coworking são conexões”:

O que é coworking para você?
Entre as inúmeras respostas para essa pergunta, esse ano escolhemos a seguinte: Coworking são conexões. E não, não estamos falando da conexão tecnológica (apesar dela ser fundamental na nossa vida). Falamos aqui da conexão entre pessoas. São essas conexões que movem o dia a dia dentro de um coworking. São elas que dão aquela energia especial para quem trabalha lado a lado. São através delas que surgem oportunidades, novas ideias, projetos e amizades. Você que gerencia um espaço compartilhado, já parou para pensar por quantas conexões desse tipo já foi responsável? Já contou quantos novos projetos surgiram dentro da sua rede, entre pessoas que talvez nunca tivessem a oportunidade de um dia se conhecer? Esse meu amigo, é o maior benefício que você pode entregar aos seus clientes. Está acima da redução de custos, do mobiliário completo e da decoração descolada. Como falamos desde a nossa primeira edição: coworking não é mesa e cadeira. Coworking é colaboração, estilo de vida. Somos responsáveis por proporcionar uma nova forma de relacionamento entre as pessoas e seu trabalho. Inspiramos novas ideias e criamos novos laços. Afinal, coworking são conexões.

 

Sempre voltamos desses eventos revigorados, inspirados e com um novo fôlego para fazer acontecer nesse mercado que, apesar de maravilhoso, não é nada fácil. Os problemas enfrentados em Curitiba, São Paulo ou no Acre (sim, tem coworking no Acre e a representante do estado foi a personalidade do evento <3 ) são praticamente os mesmos. E é isso que nos motiva e une cada vez mais. “Mas Kelly, você foi em um evento cheio de concorrentes e contou pra eles as suas fraquezas?” É aí que está o diferencial desse mercado. Vendemos colaboração, compartilhamento. É hipocrisia vender isso da porta para dentro e se fechar no seu próprio mundinho e não contribuir para o crescimento do mercado. Durante o evento foi apresentado o Censo Coworking Brasil 2017 contabilizando 810 espaços ativos no país. Um mercado que cresceu em 52% de 2015 para 2016 e cresceu mais de 100% no último ano. O censo de 2016 contava com 378 espaços. Em um ano 432 espaços novos. Esse movimento não para de crescer e não podemos deixar que a essência se perca. Cada vez mais, precisamos de união para difundir o conceito.

Alice Balado do The Place Coworking, de Rio Branco, Acre.

A maioria das pessoas não sabe, mas existem grupos no Facebook e no WhatsApp em que donos de espaços de todo o país se ajudam, trocam figurinhas, discutem ações conjuntas e indicam clientes para outros espaços quando não conseguem atender. Você já viu outro segmento em que os supostos concorrentes se comportam dessa maneira? Estamos construindo algo novo e este mercado tem espaço para todo mundo. Cada coworking tem a sua personalidade própria e é isso que faz com que as pessoas queiram estar ali. Óbvio que fatores como localização, por exemplo, pesam muito na hora de escolher um espaço para trabalhar. Mas a comunidade e a vibe do lugar ainda são prioridade.

Se você pensa em ir para um coworking apenas para reduzir custos, saiba que essa não é a melhor opção. O maior benefício que você vai encontrar em um escritório compartilhado são as pessoas. A troca de conhecimentos, ideias, projetos. Mas é preciso que você esteja aberto para que isso aconteça, participe dos eventos, faça networking, conheça quem está ao seu lado.

Participantes do ECWBR17

No próximo post vou contar sobre o tour que fizemos em São Paulo por diferentes espaços, incluindo lugares incríveis como Google Campus e a gigante WeWork. Acompanhe 😉